Conduzido pelos pesquisadores Guto Kawakami, Aasim Khurshid, Mikhail Gadelha Ramalho, estudo aponta a necessidade de que aplicações não causem enjoo nos usuários

 

A aplicação de novos recursos e inovações que façam uso da Realidade Aumentada para diversos setores da economia é cada vez mais uma realidade na sociedade atual. Segmentos como imóveis, varejo e até mesmo automotivos têm despertado a atenção dos admiradores de tendências tecnológicas em todo o mundo.

Sempre atento às novidadesSidia Instituto de Ciência e Tecnologia, que realiza a implementação de soluções digitais inovadoras para o mercado local e global, desenvolveu um estudo sobre a importância da otimização da usabilidade de softwares que aplicam a realidade aumentada. Conduzido pelos pesquisadores Guto Kawakami, Aasim Khurshid, Mikhail Gadelha Ramalho, o projeto indica que um dos pontos de melhorias devem ser a experiência do usuário, ou seja, que sejam desenvolvidos recursos que não provoquem enjoos ou mal-estar.

Além disso, torna-se necessário que as empresas que desejam oferecer experiências por meio da Realidade Aumentada, promovam um espaço bom o suficiente para que os users consigam explorar, de forma adequada, todos os recursos, caminhando e interagindo com as telas.

Outro ponto interessante analisado no estudo é que do grupo de usuários com menor experiência com inovações, há uma percepção de que a Realidade Aumentada aplicada aos diversos setores da economia real, abre uma infinidade de possibilidades e alcance de novos universos. Por outro lado, o grupo que já faz uso de novas tecnologias, se demonstrou menos surpreendido.

“Sabemos que a Realidade Aumentada já faz parte do nosso dia a dia, mas acreditamos que ainda é preciso aplicar algumas melhorias. Com base nesse estudo conseguimos observar que os novos usuários estão ávidos e abertos para as novidades e tendências tecnológicas, portanto cabe aos pesquisadores promover as otimizações necessárias para que cada vez mais pessoas façam uso desses novos recursos”, conclui Guto Kawakami.

O artigo completo pode ser acessado aqui.